sexta-feira, 8 de maio de 2009

. das raposas e dos homens .

"O que é finito pode ser perfeito. Sou ser que não acaba, que não finda, que não se reconhece como limite de nada. Minha “finalidade própria” logicamente não é de ninguém. Sou pouco entendível, no entanto, bastante previsível. Sou imperfeita. Boneca de retalhos vestida de gente e, às vezes, pouco coerente. Minha falha narcísica me faz buscar no outro o que falta em mim, embora sabedora que sou EU força motriz do que quero e preciso. Cansei de entregar cartões de visita com minhas qualidades. Dane-se o que há de bom em mim! Quem se importa com meus valores, para muitos, ultrapassados? Fiquem com meu pior! Talvez assim estabeleça distância dos ardilosos fantoches de sorrisos falsos e cheios de sutilezas. Meu excesso de auto-estima me permite expulsar algumas personagens indesejadas de minha história . E, se há algo de que me orgulho, é das entrelinhas de minha vida. Sou forte, sei recomeçar. Mas, prefiro que saibam que choro e que tenho medo. A exigência dos meus braços por um abraço atesta todo egoísmo que mora em mim. Meu corpo, minha cabeça e meu coração estão cansados desse mundo incapaz. Incapaz de amar o próximo. Incapaz de ser verdade. Incapaz de gritar alto. Incapaz de ser verdadeiramente livre. Não acordo linda todos os dias. Ou melhor, não acordo linda nunca. Sou imediatista e impulsiva. Não sou alta, não sou magra, tenho celulite e minha inteligência é mediana. Tenho quase 27 e meu metabolismo está mais lento. Em minha veia, correm os extremos. Tudo que representa meio termo me incomoda. Ser maleável já não me parece interessante. No entanto, tal como o ouro, aprendi a ser dúctil. Meu coração mole, aos poucos me ensina a ser cabeça dura e a transformar meu cérebro em escudo. Eu entendo de futebol, de cozinha e de filosofia. No entanto, prefiro que se apegue a meu lado fútil que lê revistas de fofoca e se preocupa com que roupa vai usar tal dia. Ele, definitivamente existe. Sou brava e sentimentalmente burra. Detesto gente vazia e que “está na moda”. Detesto gente linda, mas com a essência fora da validade. Detesto gente limpa e de alma suja. Odeio o relógio que me faz lembrar que o tempo passa. De longe, quem mais me bateu foi o amor. E fez isso sempre me levando a bater na porta errada. Na porta dos covardes que usam a pseudo-desculpa do envolvimento. Na porta dos malandros contadores de histórias da carochinha. Na porta de intectualizados poetas de um mundo sem poesia. Na porta do cara que podia ser certo, mas que é errado, como o tempo que me trouxe e que me leva sem hora pra voltar. Não sou tão boa moça quanto dizem. Sei ser péssima, também. Imaginei que me faltariam dedos para contar os amigos que se tem, hoje sei que são cinco ou seis. Sinto-me mais ranzinza agora do que há anos. Meu lado doce já me trouxe muitos problemas com a insulina. Esqueci a ultima vez que chorei por alguém e felizmente compreendi que quem realmente vale minha lágrima, jamais me fará chorar. Não sou compreensiva com a frieza. Seja qualquer coisa, menos “abaixo de zero” ou receberá meu adeus. Quero alguém que me ame, em contrapartida, tenho medo de amar. Mais um sinal de um olhar que busca o próprio umbigo e comprova as cicatrizes de alguém cansada de se doar INTEIRA e receber metade. Estas palavras os olhos alcançam, ao passo que me fazem imperceptível para quem não merece me ver. Quisera nesse mundo que as raposas pudessem ensinar aos homens que “só se vê bem com o coração”.

3 comentários:

Ana disse...

Lindo Regina, simplesmente lindo, amei cada trecho.
Beijos.

Karla disse...

Se permita Ninex...Permita que o mundo chegue a você.
Não tenha medo,ele é um dos nossos inimigos mais fortes em ocasiões onde deve ser deixado de lado!
Não ligue para o que A ou B,Y ou Z pensam...Apenas seja você!A nossa visão do que é o mundo e a que viemos só depende de nós.Não seja pessimista, o pessimismo atrai coisas negativas.Vibações positivas geram só coisas boas, não pense que as coisas só acontecem com você,todas as pessoas do mundo passam por problemas, cada um dentro do seu estilo de vida.Ninguém tem problemas melhores ou piores,o problema existe,sempre.
Por fim, te aconcelho a me ver mais vezes pois a nossa convivência profissional deixou muita saudade.
Beijão linda

Priscila disse...

Amei... de um tempo pra cá acompanho o q escreve..perfeito!!!